Atividade com entrevista: Cientista em busca da vacina contra o coronavírus – Questões com resposta

Baiano que desenvolve vacina passou infância vendendo frutas e geladinho

Vê esse homem com cara de professor e cientista? Pois bem. Ele, de fato, é professor e cientista dos bons. Agora, consegue imaginá-lo na infância? É difícil conceber, mas, aos oito anos, Gustavo Cabral trabalhava em uma feira. Vendia manga, coco e geladinho na cidade de Tucano, no nordeste da Bahia, onde nasceu. De olho nas pessoas que conseguiram crescer na vida, Gustavo chegou à conclusão que a maioria delas havia se dedicado aos estudos.

CORREIO: Como era sua vida em Tucano e o que você se lembra do trabalho na feira desde os 8 anos de idade?
Gustavo Cabral: Sempre fomos muito humildes. Meu pai era agente de saúde e minha mãe ajudante geral em uma escola. Eu passava boa parte do dia na feira para ajudar a família. Vendia manga e coco. Depois ficava até mais tarde vendendo geladinho. Aos 15 anos eu fui trabalhar em um açougue em Euclides da Cunha. Cheguei a ter duas bancas de carne, uma em Euclides e outra em Monte Santo. Eu estudava em escola pública, mas não conseguia estudar direito por causa do trabalho. Vendi as duas bancas e me matriculei em uma escola particular com um ensino melhor.

O que fez um adolescente que trabalhava desde criança ter a iniciativa de investir tudo nos estudos?
Inicialmente, eu só queria ter uma vida melhor. Para ser bem sincero, eu pensava em mim, Daí eu imaginei: ‘vou parar com isso daqui porque eu quero ter uma vida melhor’. Eu não quero viver só para trabalhar e me preocupar se vou conseguir comprar minha comida. Foi aí que eu vi que a maioria das pessoas que estudavam tinha uma condição de vida boa.

Em que pé está a pesquisa e porque demora tanto para ter uma vacina?
Estamos na fase experimental, as coisas estão caminhando bem. Você imagina como é que a gente vai aplicar alguma coisa no ser humano sem ter passado por todos os testes? É muito arriscado por duas questões: efeito colateral e simplesmente o fato de não funcionar. Imagina você expor a população a um sentimento de esperança, vacinar todo mundo e simplesmente não funcionar. Se tem uma coisa que a ciência nos ensina é ser humildes. Ciência segue rigores.

Mas teremos uma vacina produzida pelo Brasil?
Para essa pandemia é muito difícil termos uma vacina, seja lá onde ela for produzida. A nossa melhor vacina hoje é o isolamento, a participação de todos, a informação, a solidariedade e o apreço à vida humana. A ideia é que nos próximos dois anos a vacina esteja pronta para ser usada na população. Outros países também estão desenvolvendo fórmulas, mas é importante que o Brasil tenha seus próprios produtos.

Então o senhor é a favor do isolamento social?
Sem dúvida. Uma doença que em três meses atinge mais de um milhão de pessoas e mata mais de 60 mil é algo muito grave. O isolamento é a única forma de se proteger.

O vírus te surpreendeu? Lá no início você esperava que ele se espalhasse dessa forma?
Foi uma surpresa muito ruim. A princípio achei que seria controlado. Com o conhecimento tecnológico que a gente tem hoje em dia não dava para esperar que se tornasse uma pandemia. Mas o vírus tem uma particularidade: transmite muito facilmente.

Como se desenvolve uma vacina?
A primeira coisa é formar um corpo de intelectuais capacitados. Depois a gente vai para o laboratório e trabalha com a célula. Só depois de muitos testes a gente vai utilizar, por exemplo, de modelos animais. E mesmo que dê certo em animais não é garantia de nada. Nesse caminho você pode ter que reformular sua teoria inicial diversas vezes. Até que você tem uma vacina capaz de proteger contra o vírus. Mas ainda não é o fim. A partir daí você vai fazer experimentos para saber se a vacina é tóxica para o ser humano. Não basta proteger contra o vírus. Não pode ser tóxica ou causar ainda mais problemas.

Você disse que a ciência nos ensina a ser humildes. O que esse vírus já nos ensinou e pode nos ensinar?
Olha, a ciência vinha sendo muito desrespeitada. Espero que esse momento sirva de lição. A ciência precisa de suporte. Se nossos governantes não respeitam os cientistas, quem sofre é a sociedade. Se a gente quer uma sociedade estável e segura, a gente precisa dessas pessoas. Se a gente quer ter uma saúde boa para todos, a gente precisa da ciência. Produzimos conhecimento. Conhecimento é muito caro. Vamos continuar importando esse conhecimento ou vamos desenvolver aqui? Vai ser tudo com a tecnologia dos outros?

O senhor também acredita em uma transformação das pessoas após a pandemia?
Uma coisa está atrelada a outra. Respeitar a ciência é, antes de tudo, respeitar o ser humano. Nós vamos ter muitas perdas, mas vamos passar por essa fase e espero que a gente melhore muito enquanto pessoas. Ciência é vida real, é sociedade. Acredito que uma nova sociedade vem por aí e essa fase de transição vai ser difícil, mas acho que vá valer a pena. A sociedade e a ciência têm muito a ganhar com um mundo em que todos são respeitados.

Fonte: Jornal Correio 24 horas. 19/04/2020.
Disponível em: https://www.correio24horas.com.br/noticia/nid/coronavirus-baiano-que-desenvolve-vacina-passou-infancia-vendendo-frutas-e-geladinho/

Após ler o texto responda

1. Que gênero textual é esse?
2. Como ele está organizado?
3. Para que serve esse texto?
4. Onde encontramos textos como esse?
5. Onde essa entrevista foi publicada?
6. Quem é o entrevistado?
7. Quem é o entrevistador?
8. Em qual estado e cidade nasceu Gustavo Cabral?
9. Que acontecimentos na infância de Gustavo são destacados na entrevista?
10. Segundo Gustavo por que demora tanto a produção de uma vacina?
11. Para Gustavo qual a melhor vacina atualmente?
12. Qual a opinião de Gustavo sobre o isolamento?
13. Qual característica do vírus surpreendeu Gustavo?
14. Sobre a criação de uma vacina enumere os acontecimentos abaixo de acordo com a sequência correta.
(___) Teste da vacina em animais.
(___) Testar se a vacina é tóxica para humanos.
(___) Disponibilizar a vacina para a população.
(___) Formação de uma equipe capacitada.
(___) Trabalhar com a célula do vírus em laboratório.
15. Em sua opinião por que o trabalho dos cientistas é importante?
16. Em uma entrevista há fatos e opiniões expostos. Os fatos são acontecimentos que ocorrem independente da vontade das pessoas. Já a opinião refere-se ao modo de pensar de cada um. Marque a frase que apresenta um fato.
(  ) A sociedade e a ciência têm muito a ganhar com um mundo em que todos são respeitados.
(  ) Respeitar a ciência é, antes de tudo, respeitar o ser humano.
(  ) Vendi as duas bancas e me matriculei em uma escola particular com um ensino melhor.
(  ) Para essa pandemia é muito difícil termos uma vacina, seja lá onde ela for produzida.

17. Leia.
“A partir daí você vai fazer experimentos para saber se a vacina é tóxica para o ser humano.”
a) Consulte no dicionário o significado da palavra tóxica.
b) Qual outra palavra poderia ser usada no lugar de tóxica sem alterar o sentido da frase?
c) Reescreva a frase fazendo essa alteração.
18. Leia.
“Eu não quero viver só para trabalhar e me preocupar se vou conseguir comprar minha comida.”
a) Reescreva a frase substituindo a palavra eu por nós e faça a concordância necessária.
19. Leia.
“Vendi as duas bancas e me matriculei em uma escola particular com um ensino melhor.”
a) Reescreva a frase como se as ações ainda fosse ocorrer (futuro).
20. Se você pudesse fazer uma pergunta a Gustavo o que perguntaria?

Respostas.

1. Uma entrevista.
2. Em perguntas e respostas.
3. Para expor as opiniões do entrevistador, debater um assunto.
4. Encontramos entrevistas em jornais, revistas e sites.
5. No site do jornal Correio 24 horas.
6. Gustavo Cabral.
7. O jornal Correio 24 horas.
8. No estado da Bahia, cidade de Tucano.
9. Ele trabalhar na feira vendendo frutas para ajudar no sustento da família.
10. Porque ocorrem vários testes para evitar efeitos colaterais e a ciência segue rigores.
11. A nossa melhor vacina hoje é o isolamento, a participação de todos, a informação, a solidariedade e o apreço à vida humana.
12. O isolamento é a única forma de se proteger.
13. Ele se espalha com grande facilidade.
14. Sobre a criação de uma vacina enumere os acontecimentos abaixo de acordo com a sequência correta.
( 3 ) Teste da vacina em animais.
( 4 ) Testar se a vacina é tóxica para humanos.
( 5 ) Disponibilizar a vacina para a população.
( 1 ) Formação de uma equipe capacitada.
( 2 ) Trabalhar com a célula do vírus em laboratório.
15. Resposta pessoal do aluno.
16.
( ) A sociedade e a ciência têm muito a ganhar com um mundo em que todos são respeitados.
( ) Respeitar a ciência é, antes de tudo, respeitar o ser humano.
(X) Vendi as duas bancas e me matriculei em uma escola particular com um ensino melhor.
( ) Para essa pandemia é muito difícil termos uma vacina, seja lá onde ela for produzida.

17.
a) Tóxica: Com propriedade de envenenar; que contém veneno: substância tóxica. Capaz de entorpecer por afetar o sistema nervoso; droga
b) Venenosa.
c) A partir daí você vai fazer experimentos para saber se a vacina é venenosa para o ser humano.

18. a) Nós não queremos viver só para trabalhar e nos preocupar se vamos conseguir comprar nossa comida.
19. a) Venderei as duas bancas e me matricularei em uma escola particular com um ensino melhor.
20. Resposta pessoal do aluno.

Clique aqui para baixar essa atividade em formato Word.

Download (DOCX, 132KB)

 

Acesse mais atividade de Língua Portuguesa.

 

 

   

{formulário de inscrição}

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.